Gustavo de Matos Sequeira e Figueiredo da Fonseca

Available actions

Reader available actions

 

Gustavo de Matos Sequeira e Figueiredo da Fonseca

Description details

Description level

Unidade de instalação instalada   Unidade de instalação instalada

Reference code

PT/MVNF/JAM/A/0079

Title type

Atribuído

Date range

1908-07-15  to  1908-07-15 

Dimension and support

1 u.i.; papel.

Producer

José de Azevedo e Menezes

Biography or history

Gustavo Adriano de Matos Sequeira e Figueiredo da Fonseca nasceu em Lisboa, a 9 de Dezembro de 1880 e faleceu em Lisboa, a 21 de Agosto de 1962. Foi um jornalista, político e escritor Olissipógrafo português. Filho de Joaquim Germano de Sequeira da Fonseca e Sousa e de sua segunda mulher Adelaide Margarida Ribeiro Franco de Matos, nasceu em Lisboa, a 9 de Dezembro de 1880, tendo frequentado e feito o Colégio Militar, várias cadeiras da Escola Politécnica de Lisboa, o Instituto Industrial e Comercial de Lisboa e o Curso Superior de Letras. Assumiu e exerceu, entre 1915 e 1919, o cargo de Comissário Interino do Governo no Teatro Nacional D. Maria II, nos impedimentos do Dr. Augusto de Castro, tendo sido, posteriormente, a 18 de Junho de 1919, promovido a comissário efetivo, posição da qual se demitiu. Enquanto exercia aquela posição, realizou várias investigações sobre a história do teatro, tendo escrito vários livros. Também em 1915, tornou-se chefe de gabinete do Ministro das Finanças, Eng.º Herculano Galhardo, tendo sido eleito, dois anos depois, em 1917, Vereador da Câmara Municipal de Lisboa, voltando a ser eleito em 1919, sem, contudo, ter exercido este cargo. Em 1921, foi membro da Comissão de Propaganda da Aliança Republicana e Socialista, e, entre 1919 e 1922, fez parte das Comissões de Reforma do Teatro Nacional D. Maria II, e da Subcomissão Redatora, com Júlio Dantas, Vasco Borges e Santos Tavares; a 19 de Outubro de 1926, voltou, novamente, a ser nomeado Comissário do Governo junto desta instituição, posição que deteve exercendo este cargo até 1936. Também trabalhou na Alfândega de Lisboa, até ser demitido do cargo de Subdiretor e preso em 1931, acusado de participar nas preparações duma Revolução; nesse ano, colaborou na organização do Congresso da Crítica. Pertenceu, igualmente, à Academia das Ciências de Lisboa, à Academia Portuguesa da História, à Associação dos Arqueólogos Portugueses, e à Academia de Belas-Artes de Lisboa. Entre 1951 e 1959, exerceu como Membro da Comissão Consultiva Municipal, tendo sido nomeado Vogal da Comissão de Toponímia. Era casado com Beatriz Carolina de Oliveira e era pai de Maria Adelaide de Matos Sequeira de Oliveira Guimarães, Maria Carolina de Matos Sequeira Duque, José de Matos Sequeira, e Vasco de Matos Sequeira.

Fonte: Wikipedia

Access restrictions

Comunicável, sem restrições legais.

Description physical location

JAM 465

Language of the material

Português

Physical characteristics and technical requirements

Em regular estado de conservação.

Other finding aid

ODA

Type of container